26—30.11.2021

SÃO MIGUEL DO GOSTOSO RN

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram

A 8ª edição da Mostra de Cinema de Gostoso retoma suas exibições presenciais com uma imensa satisfação por voltar a promover o encontro de pessoas em torno da celebração do cinema brasileiro. Com a consciência um pouco mais tranquila e a respiração aliviada, finalmente nos sentimos seguros de recomeçar nossas atividades sem o perigo tão iminente de colocar vidas alheias em risco. A pandemia do coronavírus foi e tem sido um grande trauma coletivo, que levaremos algum tempo para conseguir absorver e superar. Mas estamos convictos de que é preciso aproveitar este momento para reafirmar nossos objetivos e a convicção de que o cinema, ou melhor, uma sala de cinema ao ar livre em uma praia belíssima, pode ser uma ferramenta útil para lidar com essa angústia e promover uma profunda transformação social.

 

Não se pode ignorar que a realização de um evento presencial a essa altura vem acompanhada de sentimentos ambíguos. O duro golpe sofrido por toda a cadeia audiovisual brasileira nos últimos anos exige de nós uma postura firme e bem-articulada. A resposta mais contundente que poderíamos dar a essa situação está transparente em nossa programação — uma seleção enxuta, mas muito representativa, da produção cinematográfica mais recente, repleta de personagens emocionantes, histórias que instigam a imaginação e a diversidade de vozes que cada vez mais é demandada por nossa sociedade, ou pelos menos por aquela parcela que atribui a isso um valor indispensável.

A programação da 8ª edição da Mostra de Cinema de Gostoso está composta por um total de oito curtas-metragens e cinco longas-metragens, divididos entre Mostra Competitiva, Mostra Coletivo Nós do Audiovisual e Sessões Especiais. Devido às novas práticas impostas pela pandemia, decidimos não realizar neste momento as mostras Panorama e Infantil, visto que ambas têm acontecido no Centro de Cultura, dentro de uma sala fechada e durante o dia. Julgamos que não seria responsável de nossa parte promover aglomerações neste espaço, ainda que a quantidade de infectados esteja em franco declínio em todo o estado do Rio Grande do Norte. Portanto, todos os 13 filmes da 8ª Mostra de Cinema de Gostoso estarão em exibição na Praia do Maceió, sempre a partir das 21h. Alguns desses filmes foram destaques em festivais nacionais e internacionais no último ano. Outros, são totalmente inéditos, tendo sua estreia nas areias de São Miguel do Gostoso.

 

Os filmes da Mostra Competitiva congregam duas obras de ficção de diretores estreantes em longa-metragem e um documentário de um diretor mais experiente. São eles: Cabeça de Nêgo, de Déo Cardoso, e A Felicidade das Coisas, de Thais Fujinaga, no primeiro caso, e Rolê — A História dos Rolezinhos, de Vladimir Seixas, no segundo caso. Todos eles têm como ponto em comum o desafio a narrativas e representações hegemônicas, adotando como eixo narrativo as inquietações, conflitos e desejos de personagens marginalizados. Nessa mesma chave se encontram os filmes selecionados na categoria curta-metragem da Mostra Competitiva, como Portugal Pequeno, de Victor Quintanilha, Tereza Joséfa de Jesus, de Samuel Costa e Céu de Agosto, de Jasmin Tenucci. Suas histórias contemplam, cada uma à sua maneira, diversas experiências e formas de elaboração da vida, em muitos casos em descompasso com uma realidade cada vez mais insustentável, como no caso da protagonista de Sideral, de Carlos Segundo, produzido no Rio Grande do Norte, exibido no Festival de Cannes e que faz sua estreia no Estado nesta edição da Mostra. Outros dois curtas-metragens potiguares apresentam visões distintas sobre a realidade local. Fole, de Lourival Andrade apresenta uma tragédia sertaneja repleta de música e ancorada na relação entre pai e filho, Vale do Vento Eterno, de Pedro Medeiros, que terá sua estreia na 8ª Mostra de Cinema de Gostoso, cria uma singular perspectiva futurista de um mundo não tão distante assim. 

 

O retorno da Mostra de Cinema de Gostoso à Praia do Maceió também motiva a recuperação do reconhecimento dessa comunidade na tela grande, com a exibição de dois curtas-metragens produzidos pelo Coletivo Nós do Audiovisual, formado por alunos dos cursos de formação organizados anualmente pelo evento. Mestre Marciano e Papa-Jerimum documentam as trajetórias de duas figuras muito importantes para São Miguel do Gostoso — Marciano, uma pessoa fundamental para a sobrevivência da tradição do Boi de Reis, e Seu Leonardo, um pioneiro nos campos da hotelaria e da gastronomia da região. As Sessões Especiais estão compostas por dois filmes com maior inserção no circuito comercial: Marighella, de Wagner Moura, e A Viagem de Pedro, de Laís Bodanzky. Em uma cidade que não possui nenhuma sala de cinema permanente, a exibição desses filmes promove a inclusão cultural e permite que se usufrua dessas obras da maneira mais adequada, com som e projeção de qualidade profissional.

Estão todos convidados para participar deste emocionante retorno das exibições presenciais da Mostra de Cinema de Gostoso, repletas de filmes de alta qualidade, além de outras atividades fundamentais para se pensar o cinema contemporâneo e os caminhos da cultura brasileira, como os já tradicionais debates com os cineastas e os seminários dedicados a analisar os processos de realização. Aproveitem!

Eugenio Puppo e Matheus Sundfeld

Curadores

textura.png